Now Playing Tracks

Em minha primeira visita a Buenos Aires, ainda do avião, fiquei surpreso ao ver os quarteirões tão bem definidos, tão retangulares. Ao chegar ao centro, notei a ausência de postes nas ruas, mas ao olhar para o alto, tive outra surpresa, desta vez um tanto quanto negativa, a energia é transportada por cabos que vão do topo de um edifício a outro, a cobertura de cabos cria um aspecto claustrofóbico em ruas estreitas, no entanto, a sensação de pedaço da Europa na América Latina persiste.
Ao chegar às proximidades da Casa Rosada, havia diversos bloqueios policiais, veículos blindados equipados com lançadores de jatos d’água e viaturas que rondavam constantemente a praça em frente à sede do governo argentino. Mais tarde, fiquei sabendo que havia um protesto programado para aquela semana.
O cineasta argentino Gustavo Taretto, define a cidade de Buenos Aires em seu filme Medianeras de duas maneiras: “que se puede esperar de una ciudad que le da la espalda a su río?” (“o que esperar de uma cidade que dá as costas ao próprio rio”, em tradução livre e “Buenos Aires crece descontrolada e imperfecta, es una ciudad superpoblada en un país desierto” (“Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita, é uma cidade superpovoada em um país deserto”, novamente em tradução livre). As definições podem até ser verdadeiras, mas a região de Puerto Madero tem sido revitalizada e parece que “BsAs” quer voltar-se novamente para seu rio.
Zoom Info
Em minha primeira visita a Buenos Aires, ainda do avião, fiquei surpreso ao ver os quarteirões tão bem definidos, tão retangulares. Ao chegar ao centro, notei a ausência de postes nas ruas, mas ao olhar para o alto, tive outra surpresa, desta vez um tanto quanto negativa, a energia é transportada por cabos que vão do topo de um edifício a outro, a cobertura de cabos cria um aspecto claustrofóbico em ruas estreitas, no entanto, a sensação de pedaço da Europa na América Latina persiste.
Ao chegar às proximidades da Casa Rosada, havia diversos bloqueios policiais, veículos blindados equipados com lançadores de jatos d’água e viaturas que rondavam constantemente a praça em frente à sede do governo argentino. Mais tarde, fiquei sabendo que havia um protesto programado para aquela semana.
O cineasta argentino Gustavo Taretto, define a cidade de Buenos Aires em seu filme Medianeras de duas maneiras: “que se puede esperar de una ciudad que le da la espalda a su río?” (“o que esperar de uma cidade que dá as costas ao próprio rio”, em tradução livre e “Buenos Aires crece descontrolada e imperfecta, es una ciudad superpoblada en un país desierto” (“Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita, é uma cidade superpovoada em um país deserto”, novamente em tradução livre). As definições podem até ser verdadeiras, mas a região de Puerto Madero tem sido revitalizada e parece que “BsAs” quer voltar-se novamente para seu rio.
Zoom Info
Em minha primeira visita a Buenos Aires, ainda do avião, fiquei surpreso ao ver os quarteirões tão bem definidos, tão retangulares. Ao chegar ao centro, notei a ausência de postes nas ruas, mas ao olhar para o alto, tive outra surpresa, desta vez um tanto quanto negativa, a energia é transportada por cabos que vão do topo de um edifício a outro, a cobertura de cabos cria um aspecto claustrofóbico em ruas estreitas, no entanto, a sensação de pedaço da Europa na América Latina persiste.
Ao chegar às proximidades da Casa Rosada, havia diversos bloqueios policiais, veículos blindados equipados com lançadores de jatos d’água e viaturas que rondavam constantemente a praça em frente à sede do governo argentino. Mais tarde, fiquei sabendo que havia um protesto programado para aquela semana.
O cineasta argentino Gustavo Taretto, define a cidade de Buenos Aires em seu filme Medianeras de duas maneiras: “que se puede esperar de una ciudad que le da la espalda a su río?” (“o que esperar de uma cidade que dá as costas ao próprio rio”, em tradução livre e “Buenos Aires crece descontrolada e imperfecta, es una ciudad superpoblada en un país desierto” (“Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita, é uma cidade superpovoada em um país deserto”, novamente em tradução livre). As definições podem até ser verdadeiras, mas a região de Puerto Madero tem sido revitalizada e parece que “BsAs” quer voltar-se novamente para seu rio.
Zoom Info
Em minha primeira visita a Buenos Aires, ainda do avião, fiquei surpreso ao ver os quarteirões tão bem definidos, tão retangulares. Ao chegar ao centro, notei a ausência de postes nas ruas, mas ao olhar para o alto, tive outra surpresa, desta vez um tanto quanto negativa, a energia é transportada por cabos que vão do topo de um edifício a outro, a cobertura de cabos cria um aspecto claustrofóbico em ruas estreitas, no entanto, a sensação de pedaço da Europa na América Latina persiste.
Ao chegar às proximidades da Casa Rosada, havia diversos bloqueios policiais, veículos blindados equipados com lançadores de jatos d’água e viaturas que rondavam constantemente a praça em frente à sede do governo argentino. Mais tarde, fiquei sabendo que havia um protesto programado para aquela semana.
O cineasta argentino Gustavo Taretto, define a cidade de Buenos Aires em seu filme Medianeras de duas maneiras: “que se puede esperar de una ciudad que le da la espalda a su río?” (“o que esperar de uma cidade que dá as costas ao próprio rio”, em tradução livre e “Buenos Aires crece descontrolada e imperfecta, es una ciudad superpoblada en un país desierto” (“Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita, é uma cidade superpovoada em um país deserto”, novamente em tradução livre). As definições podem até ser verdadeiras, mas a região de Puerto Madero tem sido revitalizada e parece que “BsAs” quer voltar-se novamente para seu rio.
Zoom Info
Em minha primeira visita a Buenos Aires, ainda do avião, fiquei surpreso ao ver os quarteirões tão bem definidos, tão retangulares. Ao chegar ao centro, notei a ausência de postes nas ruas, mas ao olhar para o alto, tive outra surpresa, desta vez um tanto quanto negativa, a energia é transportada por cabos que vão do topo de um edifício a outro, a cobertura de cabos cria um aspecto claustrofóbico em ruas estreitas, no entanto, a sensação de pedaço da Europa na América Latina persiste.
Ao chegar às proximidades da Casa Rosada, havia diversos bloqueios policiais, veículos blindados equipados com lançadores de jatos d’água e viaturas que rondavam constantemente a praça em frente à sede do governo argentino. Mais tarde, fiquei sabendo que havia um protesto programado para aquela semana.
O cineasta argentino Gustavo Taretto, define a cidade de Buenos Aires em seu filme Medianeras de duas maneiras: “que se puede esperar de una ciudad que le da la espalda a su río?” (“o que esperar de uma cidade que dá as costas ao próprio rio”, em tradução livre e “Buenos Aires crece descontrolada e imperfecta, es una ciudad superpoblada en un país desierto” (“Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita, é uma cidade superpovoada em um país deserto”, novamente em tradução livre). As definições podem até ser verdadeiras, mas a região de Puerto Madero tem sido revitalizada e parece que “BsAs” quer voltar-se novamente para seu rio.
Zoom Info
Em minha primeira visita a Buenos Aires, ainda do avião, fiquei surpreso ao ver os quarteirões tão bem definidos, tão retangulares. Ao chegar ao centro, notei a ausência de postes nas ruas, mas ao olhar para o alto, tive outra surpresa, desta vez um tanto quanto negativa, a energia é transportada por cabos que vão do topo de um edifício a outro, a cobertura de cabos cria um aspecto claustrofóbico em ruas estreitas, no entanto, a sensação de pedaço da Europa na América Latina persiste.
Ao chegar às proximidades da Casa Rosada, havia diversos bloqueios policiais, veículos blindados equipados com lançadores de jatos d’água e viaturas que rondavam constantemente a praça em frente à sede do governo argentino. Mais tarde, fiquei sabendo que havia um protesto programado para aquela semana.
O cineasta argentino Gustavo Taretto, define a cidade de Buenos Aires em seu filme Medianeras de duas maneiras: “que se puede esperar de una ciudad que le da la espalda a su río?” (“o que esperar de uma cidade que dá as costas ao próprio rio”, em tradução livre e “Buenos Aires crece descontrolada e imperfecta, es una ciudad superpoblada en un país desierto” (“Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita, é uma cidade superpovoada em um país deserto”, novamente em tradução livre). As definições podem até ser verdadeiras, mas a região de Puerto Madero tem sido revitalizada e parece que “BsAs” quer voltar-se novamente para seu rio.
Zoom Info
Em minha primeira visita a Buenos Aires, ainda do avião, fiquei surpreso ao ver os quarteirões tão bem definidos, tão retangulares. Ao chegar ao centro, notei a ausência de postes nas ruas, mas ao olhar para o alto, tive outra surpresa, desta vez um tanto quanto negativa, a energia é transportada por cabos que vão do topo de um edifício a outro, a cobertura de cabos cria um aspecto claustrofóbico em ruas estreitas, no entanto, a sensação de pedaço da Europa na América Latina persiste.
Ao chegar às proximidades da Casa Rosada, havia diversos bloqueios policiais, veículos blindados equipados com lançadores de jatos d’água e viaturas que rondavam constantemente a praça em frente à sede do governo argentino. Mais tarde, fiquei sabendo que havia um protesto programado para aquela semana.
O cineasta argentino Gustavo Taretto, define a cidade de Buenos Aires em seu filme Medianeras de duas maneiras: “que se puede esperar de una ciudad que le da la espalda a su río?” (“o que esperar de uma cidade que dá as costas ao próprio rio”, em tradução livre e “Buenos Aires crece descontrolada e imperfecta, es una ciudad superpoblada en un país desierto” (“Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita, é uma cidade superpovoada em um país deserto”, novamente em tradução livre). As definições podem até ser verdadeiras, mas a região de Puerto Madero tem sido revitalizada e parece que “BsAs” quer voltar-se novamente para seu rio.
Zoom Info

Em minha primeira visita a Buenos Aires, ainda do avião, fiquei surpreso ao ver os quarteirões tão bem definidos, tão retangulares. Ao chegar ao centro, notei a ausência de postes nas ruas, mas ao olhar para o alto, tive outra surpresa, desta vez um tanto quanto negativa, a energia é transportada por cabos que vão do topo de um edifício a outro, a cobertura de cabos cria um aspecto claustrofóbico em ruas estreitas, no entanto, a sensação de pedaço da Europa na América Latina persiste.

Ao chegar às proximidades da Casa Rosada, havia diversos bloqueios policiais, veículos blindados equipados com lançadores de jatos d’água e viaturas que rondavam constantemente a praça em frente à sede do governo argentino. Mais tarde, fiquei sabendo que havia um protesto programado para aquela semana.

O cineasta argentino Gustavo Taretto, define a cidade de Buenos Aires em seu filme Medianeras de duas maneiras: “que se puede esperar de una ciudad que le da la espalda a su río?” (“o que esperar de uma cidade que dá as costas ao próprio rio”, em tradução livre e “Buenos Aires crece descontrolada e imperfecta, es una ciudad superpoblada en un país desierto” (“Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita, é uma cidade superpovoada em um país deserto”, novamente em tradução livre). As definições podem até ser verdadeiras, mas a região de Puerto Madero tem sido revitalizada e parece que “BsAs” quer voltar-se novamente para seu rio.


Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha  esposa,  caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais  próximos  para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das  imagens que  retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas  sociais  presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.
No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole;  em frente a este último está  localizado o simpático Mercado de Flores.  No entanto, basta caminhar  alguns metros para encontrar numerosos  moradores de rua (e cada vez mais  numerosos, devido à “migração”  causada pela revitalização da região da  Luz).
Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da  Consolação,  de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça  Roosevelt e seus  arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos  diversos exemplos de vandalismo e descaso.
Zoom Info

Em 26 de agosto de 2007, um domingo, decidimos, eu e minha esposa, caminhar pelo elevado Costa e Silva, largo do Arouche e locais próximos para fotografarmos nossa vizinhança. Seguem algumas das imagens que retratam algumas das belezas da região e as grandes lacunas sociais presentes em espaços minúsculos, até em um mesmo quarteirão.

No largo do Arouche estão localizados restaurantes famosos, como O gato que ri e o francês La Casserole; em frente a este último está localizado o simpático Mercado de Flores. No entanto, basta caminhar alguns metros para encontrar numerosos moradores de rua (e cada vez mais numerosos, devido à “migração” causada pela revitalização da região da Luz).

Seguimos então pelo elevado até a rampa de acesso da rua da Consolação, de onde é possível ver a igreja da Consolação, a praça Roosevelt e seus arredores. Finalmente, voltando ao Arouche encontramos diversos exemplos de vandalismo e descaso.

We make Tumblr themes